Obra mapeia a produção da literatura latino-americana pelos jornais

Páginas latino-americanas é uma viva conversa com ótimos interlocutores, desde a tradição de Quiroga, Borges, García Márquez etc., até a contemporaneidade de autores que enfrentam o desafio de escrever hoje.

Cadastrado em 13/03/2017 11:18
Atualizado em 15/03/2017 16:38

Entrevista por EdUFSCar

Obra mapeia a produção da literatura latino-americana pelos jornais

A literatura latino-americana é responsável por grande clássicos da literatura mundial, mas também por autores de grande valor, ainda que pouco conhecidos. "Páginas latino-americanas: resenhas literárias (2019-2015)", de autoria de Wilson Alves-Bezerra, e que está sendo publicado em co-edição pela Editora da Universidade Federal de São Carlos (EdUFSCar) e pela Oficina Raquel, apresenta clássicos e novidades dessa literatura, levando o leitor a se aprofundar neste universo, além de se familiarizar com este gênero, que oscila entre o jornalístico e o acadêmico.
O livro traz uma reunião de resenhas inéditas e também as publicadas por Alves-Bezerra em diversos jornais do Brasil entre os anos de 2009 e 2015, todos tendo como foco a literatura latino-americana. "Os textos publicados têm como causa primeira, na maioria das vezes, não um projeto de pesquisa do professor, mas uma demanda do editor. Esta demanda, por sua vez, raras vezes, é transcendente: pode ser o lançamento de um livro, uma retradução, um prêmio, uma efeméride, uma morte", explicou o autor no posfácio da obra. Porém, ele pondera: “se por um lado, a grande maioria dos temas presentes neste livro é obra de Acaso, Demanda e Mercado – para citar três deuses contemporâneos –, as perspectivas e reflexões deste que os assina querem fazer-se relevantes. O desafio sempre foi estabelecer relações, indicar caminhos de leitura e sugerir autores e livros.”
Também na mesma seção, Alves-Bezerra é irônico ao destacar o interesse em reunir as resenhas publicadas nos jornais O Estado de S.Paulo, O Globo, Jornal do Brasil, Zero Hora e O Estado de Minas e publicá-las em um livro: "A resenha literária, se sabe, é gênero menor, e em geral pouco considerada pela universidade. Não dá prestígio ao autor, não é considerada produção relevante pelas agências de fomento, não produz fama nem riqueza (...) quando transplantada das páginas de algum caderno literário a uma revista acadêmica, passa a ser mais considerada, discutida, indexada e pontuada pelas mesmas agências." 
Ao todo são 64 artigos, que aparecem por ordem alfabética do sobrenome do autor resenhado. Lá estão analisados livros como "Antes que anoiteça", do cubano Reinaldo Arenas; "Raiva", do argentino Sergio Bizzio; "O livro de areia", do também argentino Jorge Luis Borges; "2666", do chileno Roberto Bolaño; "Cem anos de solidão", de Gabriel García Marquez; "Pornô Chic", da brasileira Hilda Hilst, entre outros. O livro traz ainda duas resenhas inéditas, as das obras "Prólogos, com um prólogo de prólogos", de Jorge Luis Borges, e "Chamadas telefônicas", de Roberto Bolaño.
Wilson Alves-Bezerra é escritor, tradutor, crítico literário e professor literário do Departamento de Letras da UFSCar. É doutor em literatura comparada pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) e mestre em literatura hispano-americana pela Universidade de São Paulo (USP), onde também se graduou. É autor dos ensaios "Reverberações da fronteira em Horacio Quiroga" (Humanitas/Fapesp, 2008) e "Da clínica do desejo a sua escrita" (Mercado de Letras/Fapesp, 2012) e das obras literárias "Histórias zoófilas e outras atrocidades (EdUFSCar/Oitava Rima, 2013), "Vertigens" (Iluminuras, 2015), obra que lhe rendeu o Prêmio Jabuti na Escolha do Leitor, categoria Poesia, e "O Pau do Brasil" (Urutau, 2016).

O lançamento acontecerá no dia 29 de março, às 19 horas, no Anfiteatro do Centro de Educação e Ciências Humanas (CECH), localizado na área Sul do Campus São Carlos da UFSCar.

Para comprar o livro, clique aqui.

 


Tags da postagem

lançamentos literatura Língua e Literatura Latinas Conhecimentos Liberais resenhas literárias 2009-2015

Comentários

Para comentar, acesse com seu Passaporte Archipèlagus validado.

Acessar